O blush nosso de cada dia pode (e deve!) ser democrático. Saiba como aplicar o blush em diferentes formatos de rosto e escolher o tom certo para a sua pele

Reportagem: Rita Albuquerque

pinceis

A escolha dos píncéis contribui (e muito!) para o efeito desejado do blush
Foto: SXC

O prestígio dos blushes no ritual de beleza da mulher o tornou um item indispensável no nécessaire. "O blush fica bem em qualquer tipo de pele, basta aplicá-lo corretamente. Sem falar que o efeito que ele causa no rosto é muito chique", diz Sadi Consati, consultor estratégico de O Boticário para a linha Intense.

Rosado, pêssego, terracota, coral ou laranja. Em pó, cremoso ou líquido, todos os tipos de blush se adequam aos tons de pele da mulher. A primeira versão tem boa fixação e se adapta bem às peles mais oleosas. A cremosa, por sua vez, tem durabilidade menor que a compacta, mas pode conferir um ar mais natural quando aplicada com os dedos. A versão líquida promove um efeito de rubor natural. "Basta colocar três gotas no alto da bochecha e dar leves batidinhas com as pontas dos dedos até o produto diluir. Para dar intensidade à cor é só repetir a aplicação", explica Sadi.

Para a maquiagem ficar natural, a aplicação de blush deve ser suave e sem exageros. “O ideal é sempre tirar o excesso do pincel e esfumar, em movimentos circulares, a parte mais alta das maçãs do rosto até atingir uma cobertura uniforme, sem riscos, marcas ou borrões”, afirma. No fim, certifique-se que os dois lados do rosto estão com a mesma intensidade de cor. Outra dica é escolher cores que sejam parecidas com o tom natural da pele.

E se o make tem tudo a ver com um look democrático, por que não investir na mistura de cores também no blush? Experimente ousar e mescle o metálico com um tom mais rosado. E se você errar a medida, basta apagar o excesso, delicadamente, com um pouco de pó facial.