O Outubro Rosa se tornou um dos maiores movimentos do mundo em prol da saúde. Para ressaltar a importância dos exames, diagnóstico precoce e tratamento, listamos 8 dados importantes sobre o câncer de mama no Brasil e no mundo!

Por Ana Paula Ferreira | Foto Shutterstock 



Criado na década de 1990 como forma de estimular a participação da população no controle do câncer de mama, o Outubro Rosa se tornou um dos mais fortes e conhecidos movimentos em prol da saúde no mundo. Todo ano, a data é celebrada com o intuito de compartilhar novas informações sobre a doença, assim como conscientizar as mulheres sobre os exames preventivos, o diagnóstico precoce e a importância do tratamento e, assim, contribuir para a redução da mortalidade por câncer de mama.

“A prevenção começa com o diagnóstico precoce do tumor por meio de visitas regulares ao ginecologista para análise visual e palpação das mamas, realização de ultrassom, mamografia a partir dos 40 anos e, em alguns casos, ressonância magnética como método complementar de investigação”, explica Mônica Stiepcich, patologista sênior do Fleury Medicina e Saúde e especialista em câncer de mama. “As mulheres com histórico familiar como mãe, avós, irmãs ou primas que tiveram câncer de mama, devem iniciar o rastreamento antes – por volta dos 30 anos, ou mesmo antes dessa idade nas pacientes com mutações genéticas de alto risco”, completa ela.

Para você ficar por dentro dos números acerca da doença, Mônica listou 8 dados importantes sobre o câncer de mama. Confira:

1. 50% dos diagnósticos de câncer de mama no Brasil são realizados em estágio avançado.

2. Se diagnosticado precocemente, as chances de cura são de 90%.

3. 57% novos casos de câncer de mama são descobertos anualmente.

4. O câncer de mama é o tipo mais comum entre as mulheres no mundo e no Brasil, depois do de pele não melanoma, respondendo por aproximadamente 28% dos casos novos a cada ano. Relativamente raro antes dos 35 anos, a sua incidência cresce progressivamente acima desta idade, especialmente após os 50 anos. O INCA (Instituto Nacional de Câncer) estimou que seriam 58 mil novos casos diagnosticados somente em 2016. 

5. A chance de ter câncer de mama até os 70 anos é de mais ou menos 1 a cada 8 mulheres. 

6. O câncer de mama é mais comum em mulheres a partir dos 40 anos, com pico de incidência entre os 50 e 65 anos.

7. A chance de ter câncer de mama abaixo dos 30 anos é em torno de 1 a cada 1600 mulheres. 

8. O rastreamento com exames de imagem (mamografia, ultrassom e ressonância magnética) nas pacientes com mutações de alto risco (por exemplo, BRCA1 ou 2, com forte história familiar) deve se iniciar aos 30/35 anos ou cinco anos antes da idade do caso mais precoce da família, de acordo com os guidelines da ONG NCCN (National Comprehensive Cancer Network).