Existem diversos cuidados a serem tomados ao ter relação sexual após o parto. Confira e tire suas dúvidas

Texto Ana Paula Ferreira

Os médicos indicam o intervalo de quatro a seis semanas

de abstinência para que o aparelho reprodutor

feminino se restabeleça / Foto Shutterstock

As relações sexuais durante o período pós-parto ainda geram muitas dúvidas entre as mulheres e seus parceiros. “Grande parte delas fica com a libido muito baixa após o nascimento do neném. Isto faz com que a diminuição ou perda do apetite sexual ocorra por um período bem mais longo do que o intervalo de quatro a seis semanas de abstinência recomendado pelos médicos para que o aparelho reprodutor feminino se restabeleça”, explica a sexóloga Natália Barros, de Brasília.

Para esclarecer algumas destas questões, a profissionais listou pontos importantes sobre o sexo após o parto e durante o período de amamentação. Confira! 

Orientações médicas 

É fundamental aguardar a liberação do médico para voltar a ter relações sexuais. “Primeiro, em casos de parto normal, o períneo (área vaginal) precisa de tempo para se recuperar dos pontos, cortes ou dores resultantes do nascimento. Se você tiver relações sexuais muito cedo, você pode danificar o períneo, causando infecções e mais danos a esta área sensível”, ressalta Natália. Em segundo lugar, quando a placenta se separa de seu útero, ela deixa uma \"ferida aberta\" dentro dele. De acordo com a sexóloga essa ferida não é motivo para preocupação (uma grande parte de seu sangramento pós-parto vem dessa ferida), mas seu corpo precisa de tempo para recuperar e cicatrizar. Por este motivo, é importante evitar duchas internas, sexo, tampões e coletores menstruais por cerca de seis semanas após o nascimento. Você não deve introduzir nada que possa causar uma infecção. No entanto, alguns médicos vão te liberar antes de seis semanas se você tiver um forte desejo sexual, portanto, deve verificar com ele. 

Seios 

Se os seios da mulher estiverem doloridos ou se eles vazam leite quando tocados, é preciso considerar posições alternativas ao papai-mamãe. A posição da mulher por cima ou de quatro podem ser mais confortáveis, por exemplo. O ideal é evitar que os seios sejam apertados. Vale até uma conversa com o parceiro para que ele evite tocar os seios durante as preliminares e no sexo”, aconselha a profissional. A dica é usar um sutiã com bojos caso esteja preocupada com a reação do parceiro ou em fazer sujeira nos lençóis caso ocorra vazamento de leite.  

Lubrificante 

Durante a amamentação, a mulher pode ter uma escassez de lubrificação vaginal. Um lubrificante a base d’água alivia qualquer desconforto para você e seu parceiro.  

Paciência 

Muitas mulheres se sentem cansadas quando dão de mamar a cada hora. Com isso, podem não querer ter relações sexuais por se sentirem sobrecarregadas para pensar em sexo depois do nascimento do bebê. Em situações como essa, é importante conversar com seu parceiro. “Muitos homens expressam afeto e conforto através de relações sexuais. Deixe seu parceiro saber como você está se sentindo e encontre outras maneiras especiais para transmitir o quão importante ele é para você.” 

Evite uma nova gravidez 

“Você pode ter ouvido que a amamentação é um contraceptivo natural. Embora seja verdade, esta forma de controle de natalidade é imprevisível e tem um elevado insucesso. Considere utilizar um preservativo ou outro método de barreira. Se você não quiser usar a pílula, converse com seu médico sobre como utilizar um hormônio leve para controle de natalidade. Se você quiser utilizar uma técnica natural contraceptiva, faça pesquisas sobre como determinar quando se começa e termina a ovulação”, orienta Natália.