Por Carla Festucci

o atrito entre as coxas incomoda muita gente...

Para prevenir e tratar o atrito entre as coxas não se esqueça de

hidratar muito bem a região

Foto: Danilo Borges

O que fazer com a irritação que surge do atrito entre as pernas?


O atrito entre as coxas, que causa irritação e assaduras, é um problema que incomoda muita gente - e não pense que são só as mais gordinhas que sofrem com isso não... "Esse atrito é mais comum entre as pessoas com sobrepeso, porém coxas anatomicamente mais grossas e até fatores genéticos podem favorecer esse quadro", explica Murilo Drummond, dermatologista e professor titular do Instituto de Pós-graduação Médica Carlos Chagas (RJ).

Segundo o especialista, existem mulheres com um corpo bem definido e trabalhado, onde as coxas mais grossas sofrem com esse problema. Além disso, um treino intenso de musculação para as pernas e o próprio suor também podem favorecer o atrito. "O suor e a peça molhada são um agravante para a pessoa desenvolver uma assadura no local em que as coxas se encostam. Pessoas de pernas grossas precisam ter o cuidado de sempre usar uma lycra por baixo do short de corrida, caminhada, além de proteger a pele com hidratante", indica o dermatologista.

 

Para prevenir e tratar esse incômodo provocado pelo atrito entre as coxas, Drummond dá algumas dicas...

 

Antes

Prefira os tecidos de puro algodão, inclusive nas peças íntimas; retire maiôs e biquínis rapidamente após sair da água, bem como a roupa de ginástica tão logo acabar o treino; e não se esqueça de hidratar muito bem a região, com cremes e óleos pós-banho.

Depois

Ao tomar banho, não utilize muito sabonete no local, pois a pele está sensibilizada e o produto pode agravar essa situação. Use também roupas mais soltas, leves e de algodão, evitando o jeans sempre que puder. E, novamente, não se esqueça de hidratar muito bem a região.

Agora, se o atrito estiver provocando um incômodo exagerado, procure orientação médica. "A avaliação do dermatologista é importante, pois pode ser necessário o uso apenas de anti-inflamatórios tópicos específicos ou, dependendo da situação, entrar com um antimicótico, pois fungos muitas vezes se aproveitam dessa pele alterada", completa Drummond.

*Dúvida respondida pelo dermatologista e professor titular do Instituto de Pós-graduação Médica Carlos Chagas (RJ), Dr. Murilo Drummond.

Tem alguma dúvida? Envie para sitecorpoacorpo@gmail.com. Se selecionada, sua questão pode ser respondida por nossos especialistas.