Atrapalha a mamografia? Prejudica a amamentação? Desvendamos os mitos e verdades mais recorrentes quando o assunto é prótese de silicone, confira!

Texto Bárbara Rossi | Adaptação Ana Araujo

Mitos e verdades prótese de silicone

Desvende os mitos e verdades sobre a prótese de silicone

Foto: Gustavo Arrais

A prótese de silicone atrapalha a mamografia. MITO.

Os equipamentos de mamografia de hoje são muito mais tecnológicos, dando resultados precisos mesmo com o silicone. Quando existe alguma dúvida, a paciente faz uma ressonância magnética, que vai oferecer um panorama ainda mais detalhado. É importante, porém, avisar o profissional sobre a prótese na hora do exame para que ele empurre-a para trás e consiga analisar apenas o tecido mamário.

A prótese de silicone prejudica a amamentação. DEPENDE.

Quando o implante é colocado abaixo da glândula mamária, da fáscia muscular ou do músculo peitoral, não há interferência. Próteses muito grandes, no entanto, podem acabar pressionando a glândula, inibindo a produção de leite. Mulheres que optam pela colocação do silicone pelas aréolas também correm risco de perder a sensibilidade necessária para a amamentação.

O risco de câncer de mama aumenta após a colocação de silicone. MITO.

Vários estudos foram realizados sobre o assunto, principalmente nos Estados Unidos e no Canadá, avaliando mulheres com e sem prótese. Os resultados mostraram que não há relação direta entre o silicone e o desenvolvimento do câncer de mama, já que a incidência da doença foi semelhante em ambos os grupos.

Revista Corpo a Corpo | Ed. 321