Vertente do pilates tradicional, o hidropilates é um tipo de ginástica descontraída que trabalha todo o corpo no meio aquático

Reportagem: Monique Zagari Garcia

pilates-na-agua

O pilates na água estimula o equilíbrio, flexibilidade e até

mesmo a concentração do aluno

Foto: Shutterstock

A prática do pilates vem se tornando cada vez mais comum entre as pessoas desejam melhorar o condicionamento físico e ter uma vida mais saudável. O que muita gente pode não saber é que esse tipo de ginástica também tem suas vertentes, e uma delas é oh idropilates, ou simplesmente pilates na água.

Segundo o Dr. André Nagyidai, presidente da Associação Brasileira de Pilates Fisioterapêutico em parceria com a Associação dos Fisioterapeutas do Brasil, o pilates na água é uma adaptação do sistema original do pilates para o meio aquático, onde é possível trabalhar todo o corpo, fortalecendo os músculos individual ou globalmente, assim como no método tradicional, além de estimular o equilíbrio, flexibilidade, força, postura, concentração e respiração. Nesse tipo de ginástica há a possibilidade de exercitar o corpo em apoios de paredes, barras, equipamentos e acessórios, assim como em profundidades diferentes, potencializando o trabalho de estabilização e equilíbrio que são utilizados de formas variadas em exercícios para fortalecimento de pernas e braços, abdominais, costas, alongamentos, relaxamento e soltura muscular.

Fazer exercícios físicos na água pode ser uma tarefa divertida e descontraída. “Estar na água facilita as atividades dando ao aluno a sensação de menor esforço, mas com ótimos resultados: um significativo gasto calórico de 260 a 400 calorias”, explica o especialista. Os benefícios são inúmeros: “Podemos destacar a melhora da força, drenagem linfática e capacidade cardiorrespiratória e pulmonar, diminuição de dores articulares no momento da sessão, facilitação do retorno venoso e trabalho de equilíbrio facilitado pelo meio”.

O pilates na água pode ser realizado individualmente, em dupla ou em grupos, havendo variações de acordo com o profissional que ministra as aulas. Não existe uma idade certa ou ideal para a prática da ginástica desde que o aluno seja orientado da forma correta. De acordo com o Dr. André, o exercício é indicado principalmente para quem possui dores musculares com tensões excessivas ou dificuldades de movimento, dores articulares causadas por desgastes como artroses e diminuição de espaço intervertebral. “O meio aquático e a própria atividade física facilitam o tratamento desses problemas, oferecendo bem estar e confiança ao aluno”, afirma. Sobre as contraindicações, o especialista alerta: “As restrições absolutas para a prática do hidropilates são alergias de produtos químicos utilizados em piscinas, hipertensão descontrolada, tímpano furado e pessoas que fazem tratamentos com radioterapia”.