Os métodos para afinar a cintura, como cintas e cremes, rondam a cabeça de quem almeja uma cintura fininha. Veja os mitos e verdades sobre o assunto

Reportagem: Kátia Neves

cintura-fina

Veja o que pode e o que não deve ser investido

durante a conquista da cintura fina 
Foto: Danilo Borges / Realização: Tomaz Souza Pinto

Afinar a cintura não é apenas mérito de dieta e exercícios. Existem diversas maneiras de atingir a silhueta ideal. Mas, algumas das alternativas geram dúvidas, ou se tornam lendas entre as possibilidades de conseguir uma cintura fininha.

Por isso, a Corpo a Corpo listou mitos e verdades sobre métodos que afinam a cintura. Confira:

O uso frequente de cintas ajuda a deixar a barriga mais fina e modelada

Mito. A cinta auxilia na melhora da postura e na conscientização do abdome. Mas o certo é mantê-lo contraído o dia inteiro. Essa conscientização corporal é importante para manter a barriga reta. A cinta vai ajudar a ensinar a pessoa a manter essa contração e a postura adequada.

É possível retirar as costelas para deixar a cintura fina

Verdade. Este é um procedimento cirúrgico de grande porte e de enorme risco, em que se removem apenas as costelas mais inferiores, conhecidas por flutuantes. Sua indicação não é frequente por ser agressiva demais para justificar apenas um efeito estético.

Passar diariamente cremes redutores de gordura ajuda a modelar a região 

Há controvérsias. Alguns cremes no mercado possuem princípios ativos bem eficazes na perda de medidas, como a cafeína e a L-carnitina. A massagem com o creme ajuda na drenagem e na ativação da circulação, que pode acelerar o metabolismo local. No entanto, o creme não quebra a gordura, pois a pele é uma barreira para proteger o organismo de agentes externos, portanto, a absorção dele é bem pequena. Logo, o remodelamento da cintura é feito por meio dos movimentos de massagem na hora da passagem do creme redutor, e não pelo cosmético em si.

O uso de corset afina a área

Verdade. Ele é feito de tecido mais resistente e tem o ajuste, em que a pessoa pode ir controlando o quanto apertar. O ideal é que a mulher não passe mais do que seis horas diárias com ele, pois o recurso comprime alguns órgãos do corpo. Em um mês é possível notar a diferença.

O bambolê pode dar uma forcinha para diminuir os pneuzinhos

Verdade. Se feito regularmente e por um tempo maior que 20 minutos, age como exercício aeróbico, queimando calorias e tonificando a musculatura abdominal e dorsal