Você pode clarear as manchas do rosto em até 100% se conhecer as causas e os melhores tratamentos para combatê-las

Manchas na pele

Manchas e melasmas aparecem, na maioria das vezes, no rosto

Foto: Danilo Borges


Se existe um problema que é capaz de tirar o humor de qualquer mulher, ele
se chama manchas. E o melasma incomoda muito a ala feminina. É um tipo
de mancha amarronzada que surge em áreas expostas ao sol, principalmente na face. Mas pescoço, colo e braços também podem ser acometidos.

As mulheres são as principais vítimas do problema, em especial, aquelas que
têm a pele morena. “Sua causa exata não é conhecida, mas os principais fatores que podem aumentar o risco de se desenvolverem essas manchas são predisposição genética, exposição solar e estímulo hormonal (por isso também
acomete as grávidas)”, afirma o dermatologista Fernando Passos de Freitas (SP).

Isso acontece porque os melanócitos (células responsáveis pela produção de melanina, substância que dá o pigmento da pele) das regiões manchadas começam a trabalhar de forma intensa, produzindo melanina em excesso e causando escurecimento localizado. E este pigmento pode estar localizado na epiderme (camada mais superficial), na derme (camada mais profunda) ou em ambas. E a partir dessa classificação, o médico poderá indicar o melhor tratamento.

O melasma também pode ser classificado de acordo com a região atingida, confira!

Centro facial: testa, bochechas, nariz, lábio superior e queixo
Malar: bochechas e nariz
Mandibular: áreas ao redor da mandíbula

Tratamentos podem clareá-las

Embora o melasma não tenha cura definitiva, é possível clarear as manchas em até 100%. Tudo isso depende, no entanto, do diagnóstico feito pelo dermatologista. Basicamente, o tratamento prevê uso contínuo de filtro solar, cremes e loções despigmentantes, tratamentos realizados em consultórios como peelings e lasers e modulação do uso de hormônios.

Vale destacar que a proteção solar não se limita ao uso de filtros solares. Daí a importância de usar chapéus e roupas adequadas para cobrir totalmente as áreas afetadas. “Entre os clareadores, destacam-se a hidroquinona, o ácido retinóico, o ácido tranexâmico e o ácido azelaico, princípios ativos que podem ser usados em cremes, géis e loções para uso domiciliar, em concentrações indicadas pelo médico”, orienta Freitas. “Eles dificultam a formação de novos pigmentos e devem ser aplicados em toda a área afetada e não só nas manchas”, alerta. Já os procedimentos realizados em consultório devem ser feitos em várias sessões.