Amplamente utilizadas, as lâmpadas fluorescentes podem causar danos à pele. Entenda o motivo e saiba como salvar sua cútis dessa roubada!

Texto Aline Dini | Adaptação Ana Araujo

Lâmpada fluorescente faz mal à pele

Lâmpada fluorescente faz mal à pele!

Foto: PixaBay

Você se lembra do apagão de 2001? Foi a partir daí que passamos a usar cada vez mais as lâmpadas fluorescentes, afinal, elas são até quatro vezes mais econômicas e duram muito. Mas existem dois grandes problemas silenciosos: se a parte central da peça se romper, o ar fica contaminado por uma poeira rica em metais pesados altamente tóxicos que vão direto para os pulmões. O outro lado ruim – este muito mais frequente –, é que alguns estudos, entre eles um conduzido por pesquisadores da Stony Brook University, nos Estados Unidos, analisaram o impacto da exposição aos raios ultravioleta emitidos por lâmpadas fluorescentes compactas (CFL) sobre a pele. O resultado foi que, após medir a quantidade de emissões UV e o quão seguro era o material que revestia a lâmpada, os estudiosos notaram que a radiação era capaz de formar rachaduras no revestimento de todas as lâmpadas estudadas, tamanho o impacto. Já pensou o que não faz à sua pele, então?

De acordo com a pesquisa, o mais indicado é evitar usar as lâmpadas fluorescentes, o que nem sempre é possível. Mas o que você pode fazer é deixá-las o mais distante possível da pele e, claro, usar protetor solar! Outra dica é colocá-las atrás de uma tampa de vidro adicional, que vai funcionar como uma proteção extra.

Lâmpada fluorescente dá enxaqueca?

Muitos dizem que a enxaqueca é culpa da iluminação fluorescente. Mas especialistas dizem que não é bem assim. Quem já tem propensão pela dor a sentirá. Mas se a pessoa não tem, luz alguma poderá desencadear o desconforto. No entanto, é verdade que a enxaqueca melhora quando se está num quarto escuro. Talvez por isso a confusão!

Revista Corpo a Corpo | Ed. 327

Assine já a CORPO e garanta 6 meses grátis de outro título