Existem diversos tipos de clareamento dental no mercado. Antes de apostar em qualquer um, esclareça as dúvidas e garanta dentes brancos por muito mais tempo

Reportagem: Rita Albuquerque

sorriso_branquinho

Clarear os dentes exige cuidados específicos pré e

pós-tratamento

Foto: Corpo a Corpo

Há, basicamente, duas formas possíveis de clarear os dentes: o clareamento por meio de luzes (Halógena, LED ou Laser) e o clareamento dental  caseiro. Segundo a dentista Érika Bugno Antunes, da Clínica Suavs Odontologia Moderna (SP), os resultados de ambos os métodos são semelhantes, o que varia é a duração dos procedimentos. "O tratamento com luz é bem mais rápido por utilizar um gel clareador bem mais forte que o gel utilizado no clareamento caseiro (peróxido de carbamida). Enquanto os ativados por luz proporcionam resultado imediato, o tratamento caseiro leva pelo menos três semanas", afirma a doutora.

No consultório, um gel clareador (peróxido de carbamida) é aplicado nos dentes, sem que haja contato com os lábios e gengivas. Depois, um feixe de luz é aplicado para ativar o produto e acelerar o processo de branqueamento. Em casa, um gel mais fraco (peróxido de carbamida) é colocado em uma moldeira de silicone. No lugar do laser, recomenda-se repetir a aplicação do gel branqueador para obter resultados positivos. O material pode (e deve!) ser adquirido em sites especializados ou no consultório do seu dentista.

O resultado dos tratamentos tem duração média de dois anos, desde que o paciente tome os devidos cuidados: não fumar e não ingerir alimentos pigmentados, como refrigerantes, café, açaí, molhos de tomate e chocolates. Além, é claro, de visitar o dentista a cada seis meses e escovar os dentes depois de cada refeição. Como prevenção, a dica da dentista é usar creme dental para sensibilidade antes do procedimento.

Para Érika, as grandes vantagens do tratamento estético são: aumento da autoestima e conquista de autoconfiança. “Por outro lado, o paciente deve estar ciente que ambos os métodos promovem sensibilidade dentária temporária, principalmente nos tratamentos ativados por luz. Além disso, pessoas com restaurações nos dentes da frente deverão trocá-las após o procedimento”, diz.

Clarear os dentes exige cuidados especiais no pós-tratamento e, principalmente, na escolha do método e dos produtos que farão o branqueamento. Segundo estudo realizado pela Faculdade de Odontologia da Universidade do Estado de São Paulo (UNESP), alguns produtos, geralmente caseiros, podem atingir e matar a polpa dentária (parte viva do dente), provocando sensibilidade exacerbada e possibilidade de fraturas. Quanto ao risco de tumores, fique tranqüila. O peróxido pode sim causar câncer, porém em concentrações acima de 50%.

O clareamento dental é indicado para pessoas acima de 16 anos e não garante resultados iguais para todos os pacientes. Não é recomendado para tratar manchas acinzentadas ou de cor marrom forte, que podem ter sido ocasionadas pelo uso do antibiótico  tetraciclina na infância, ou por tratamentos de canal. No último caso, o clareamento deve ser interno ao dente, quando indicado, afirma a dentista.

O custo médio para branquear os dentes varia de R$ 200 a R$ 300 por arcada no método caseiro, e R$ 400 a R$ 700 por arcada no tratamento ativado por luz.