A proposta da dieta do índice glicêmico é caprichar no consumo de carboidratos "do bem" e deixar de lado os "do mal" para emagrecer até 2 kg por semana! Conheça os alimentos que prometem afinar de uma só vez barriga, culote e cintura

Reportagem: Heloísa Noronha

Dieta do índice glicêmico

Frutas cítricas, hortaliças e amendoim torrado são considerados fonte de carboidratos
"do bem" e estão liberados na dieta do índice glicêmico

Foto: SXC

A dieta do baixo índice glicêmico, que faz o maior sucesso nos Estados Unidos, traz uma proposta diferente. Ela considera o tipo de alimento ingerido e faz uma nítida separação entre os carboidratos bons - que não elevam o nível de glicose do sangue - e os ruins - que, ao contrário, aumentam a taxa de açúcar na corrente sanguínea e transformam o excesso em gordura (na forma de pneuzinhos e culote), podendo ainda provocar sérios danos à saúde.

"Os itens mais perigosos para favorecer esse processo são as guloseimas açucaradas, arroz, pão francês e quitutes produzidos com fubá e farinha de trigo", alerta o endocrinologista Filippo Pedrinola (SP). Ele recomenda evitar o excesso de açúcar, refrigerantes, batata, mel e massas em geral.

Para não errar é só optar pelos alimentos que não aumentam o Índice Glicêmico, como hortaliças, legumes, laticínios, sementes cruas, frutas cítricas e derivados da soja. Nesse caso, a digestão ocorre lentamente em função das fibras e das gorduras saudáveis que esses itens contêm, e a glicose é liberada aos poucos no sangue, mantendo o nível de energia equilibrado por mais tempo e deixando bem longe o desejo de beliscar.

Gostou da proposta? Conheça então os alimentos "do bem" e "do mal", acerte na escolha e diga adeus à barriguinha e ao culote com o cardápio que a Corpo a Corpo tem para você.