Os corantes artificiais estão nos refrescos, gelatina, massas e até nos iogurtes! Sabia quais riscos eles trazem para a saúde

 

Reportagem: Caroline Sarmento

artificiais

Corantes artificiais podem chamar atenção visual, mas, se consumidos em excesso
fazem mal à saúde
Foto: SXC

Os corantes são aditivos alimentares e estão presentes nos alimentos industrializados como massas, bolos, margarinas, sorvetes, bebidas, gelatinas, biscoitos, entre outros. Existem vários tipos de corantes, os mais comuns são os artificiais e os naturais.

Os tipos artificiais não possuem nenhum valor nutritivo e servem (como o nome sugere) apenas para colorir os alimentos que perderam a coloração na industrialização. “Uma gelatina de morango, por exemplo, se fosse transparente não faria sucesso. Um refrigerante sabor laranja sem corantes ficaria com a aparência de água pura com gás”, argumenta nutricionista Thabata Martins, do Zahra Spa & Estética.

Quando consumidos com frequência, os corantes artificiais podem interferir no processo metabólico e até neurológico. Além disso, o consumo dos aditivos também pode desencadear alergias, irritação estomacal e até prejudicar a pele. Portanto, se perceber uma reação ao produto com o corante artificial, suspenda imediatamente o produto do cardápio.

Diferença entre o corante artificial e o corante natural

O corante natural é derivado de plantas, animais e até minérios. Estes correm riscos de criar um odor mais forte e são sensíveis à luz, diminuindo a resistência do alimento. Já os artificiais são elaborados por compostos químicos, conseguem prolongar a duração do alimento e criam uma aparência mais chamativa.

“A dosagem considerada segura de cada um dos aditivos é determinada pela FAC (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura) e ela OMS (Organização Mundial de Saúde)”, explica Thabata. Por isso, antes de consumir um produto desconhecido, fique atenta ao rótulo e às instruções nutricionais do alimento.