Além de superincômoda, a prisão de ventre pode estar atuando contra o seu propósito de secar as gordurinhas. Entenda por que e saia já no contra-ataque!

Reportagem: Rita Trevisan e Thaís Macena

Fibras são aliadas do intestino

Muita fibra é a receita para prolongar a saciedade

e absorver menos gorduras

Foto: Christian Parente

Quando há prisão de ventre, o corpo padece. O intestino preso também pode representar quilinhos extras na balança, pois leva à retenção de líquidos, absorvidos para a formação do bolo fecal. “Além disso, o volume fecal parado no organismo sofre fermentação, o que pode levar a uma distensão abdominal”, adverte Alessandra Rodrigues, nutricionista (SP). Aprenda como fazer esse órgão entrar nos eixos! 

A solução está no prato

É considerado normal um intestino que funciona diariamente ou a cada dois dias. “A diminuição na frequência de evacuação, acompanhada de fezes ressecadas e endurecidas, esforço para evacuar e sensação de eliminação incompleta são sinais de alerta”, complementa Felipe Emanuel Fuhro, gastroenterologista (SP).

Para driblar o problema, investir em fibras é essencial. Elas aumentam o volume das fezes e retêm líquidos, tornando-as mais pastosas e fáceis de eliminar. “As fibras encontradas nas frutas, principalmente naquelas que podem ser consumidas com casca e bagaço, têm um efeito muito benéfico ao intestino.

Verduras, cereais integrais e derivados (farelo de trigo, aveia e pães integrais), grãos integrais (grão-de-bico, quinoa, amaranto, lentilha, arroz integral), sementes oleaginosas (linhaça, castanhas, gergelim, amêndoas) e hortaliças em geral (todos os tipos de folhas verdes) também”, ensina Fernanda Fagali, nutricionista do Spa Bella Vita (SP).

Ao aumentar o consumo de fibras, automaticamente turbinamos a perda de peso em curso. “As fibras reduzem a velocidade de digestão, prolongando a sensação de saciedade, e diminuem a absorção de gorduras”, acrescenta. Porém, para se obter todos esses benefícios, é preciso garantir o aporte adequado. “O Guia Alimentar para a População Brasileira recomenda a ingestão diária de 25 g de fibra por dia ou o consumo de 3 porções de frutas (1 porção corresponde a 1 laranja ou 1 banana ou ½ mamão papaia ou 8 bagos de uva Itália); 3 porções de legumes e verduras (1 porção corresponde a 7 unidades de tomate cereja, 3 colheres [sopa] de abobrinha cozida, 4 e ½ colheres [sopa] de brócolis cozido) e 6 porções de cereais, tubérculos e raízes (1 porção corresponde a 6 colheres [sopa] de arroz integral, 2 fatias de pão de forma integral, 4 unidades de torrada integral)”, explica Mirella Pasqualin, nutricionistada RG Nutri Consultoria Nutricional (SP). A profissional ensina a atingir essa recomendação, distribuindo os alimentos ao longo de um dia.

Café da manhã

1 maçã pequena — 2 g de fibra
1 banana-maçã com 2 colheres de flocos de aveia — 4,8 g
2 fatias de pão integral — 3,4 g

Almoço

1 concha pequena de feijão com 3 colheres (sopa) de arroz integral — 4,3 g
1 porção de couve refogada — 2,3 g
1 laranja-pera — 10,6 g

Lanche da tarde

1 iogurte com2 colheres de granola — 1,5 g
1 pera Williams ou Park — 2,4 g
1 barra de cereal — 1 g

Jantar

1 xíc. (chá) de alface — 1 g
3 fatias de beterraba — 2,55 g
2 col. (sopa) de cenoura ralada — 1 g