O GH, hormônio responsável pelo estirão de crescimento da adolescência, tem funções nobres também na vida adulta: é importantíssimo para a manutenção da massa magra e para a queima de gordura. Mas nem sempre é preciso lançar mão das seringas para contar com ele. Medidas simples regulam sua produção natural e favorecem o corpo sem descuidar da saúde

 

Reposição: será que vale a pena?


A prescrição da reposição do hormônio GH deve ser feita de maneira muito precisa, em casos em que há indícios clínicos e laboratoriais de baixa produção no organismo. Ainda assim, a dose precisa estar de acordo com as necessidades individuais. Isso porque ter uma alta quantidade de GH circulando no corpo não é um bom negócio. “O excesso desse hormônio aumenta a suscetibilidade ao diabetes, a problemas cardíacos e ainda pode estimular o crescimento de tumores”, alerta Alfredo Halpern. A substância também pode induzir uma retenção de líquidos, com impacto sobre a pressão arterial. Cabe ao médico avaliar se os benefícios da terapia poderão superar os riscos ou não.