A maionese já foi considerada uma vilã para o colesterol e para a boa forma. Hoje, o molho está muito mais saudável e pode, inclusive, contribuir com a sua dieta. Confira os benefícios da maionese

Reportagem: Rita Albuquerque

lanche_maionese

Experimente pratos e lanches deliciosos feitos com maionese light

Foto: SXC

A maionese já foi considerada inimiga da saúde e das dietas. Extremamente calórica e rica em gorduras, a maionese estava no topo da lista dos alimentos maléficos ao colesterol. Mas de tempos para cá, as receitas do molho mudaram (e muito!), restringido a quantidade de calorias e gorduras ruins por porção. Segundo a nutricionista Stéphanie Fontanari Moles, do NutriCentro – Clínica de Nutricionistas (SP), a maionese industrializada pode sim ser fonte de gorduras benéficas vindas do óleo vegetal.  "Atualmente, o processo de fabricação da maionese pelas indústrias foi alterado, diminuindo a concentração de óleo e ovos e aumentando a de água na composição", diz.

Injusta, a fama  da maionese pode ser fruto das antigas receitas e, principalmente, da versão caseira. Em casa, o condimento é preparado com muito mais óleo, ovos, gorduras e, claro, calorias. Para se ter ideia, o número de calorias da maionese caseira dobra em relação à industrial: 76 cal. por uma colher de sopa da caseira e 40 cal. pela mesma medida da industrializada. A versão light é ainda melhor, apenas 12 cal. por porção (menos que a manteiga, requeijão ou azeite).

“Para quem quer emagrecer, o consumo de maionese deve ser moderado e intercalado com outras fontes de gorduras boas, como azeite extra-virgem, óleo de canola e frutas oleaginosas”, afirma a nutricionista. O condimento industrializado pode, inclusive, diminuir a ingestão calórica das refeições. Temperar uma salada com um molho à base de gorduras boas no início da refeição promove maior saciedade (os lipídios têm digestão mais lenta) e evita excessos nos próximos alimentos. Por isso, normalmente, o problema dos quilinhos extras não é a maionese em si, mas os pratos, lanches e porções que a acompanham.

Na atual composição e consumida moderadamente, a maionese industrializada não oferece riscos. “Ela não apresenta grandes quantidades de colesterol e gorduras saturadas, mas ingerida em excesso, pode elevar o colesterol total e o ruim (LDL)”, explica Stéphanie. O condimento possui gorduras boas, monoinsaturadas e poliinsaturadas, além dos ácidos graxos ômega-3 e ômega-6, essenciais ao bom funcionamento do organismo e absorção de vitaminas.

Fique atenta aos cuidados com a refrigeração da maionese. E, no caso da versão caseira, atenção redobrada quanto à contaminação pela bactéria salmonela, promovida pelos ovos crus usados na receita.

Quer uma receita com maionese? Experimente as deliciosas abobrinhas recheadas com atum e maionese, elaboradas pela nutricionista Stéphanie Fontanari. Você vai adorar!