Cadastre seu e-mail e receba todas as novidades da Corpo a Corpo



O jazz está de volta! Com outra roupagem, é bem verdade. Mas a nova modalidade, o barre jazz, preserva o que há de melhor nesse estilo, que fez a cabeça da mulherada nas décadas de 1980 e 1990: ficar em forma se divertindo

Por Karine César | Fotos Danilo Tanaka | Cabelo Adal Alves | Make Rita Nogueira (ambos do Jacques Janine Jardim América) | Adaptação Web Ana Paula Ferreira 



Flashdance, Grease, Os Embalos de Sábado à Noite... Esses filmes marcaram uma geração, e até hoje a trilha sonora deles coloca todo mundo para dançar nas festas de casamento. Nos anos 1980, com a influência dos musicais, o jazz rapidamente conquistou as academias do País. Com o passar dos anos, as salas já não ficavam tão cheias e outras aulas mais modernas surgiram no lugar. Mas como tudo que é bom sempre volta, o jazz ressurgiu. Não como naquela época, e nem poderia. Ele ganhou uma nova versão que mistura movimentos do ballet pilates. “Fiz algumas adaptações nos movimentos ‘bruscos’ do jazz e associei com os princípios do pilates — controle, concentração, respiração, fluidez e precisão”, explica Audrea Lara, professora e criadora da aula. Simples, dinâmico e animado, o barre jazz é uma excelente alternativa para quem quer perder peso e definir a musculatura

Motivos para bailar

Por ter uma característica predominantemente aeróbica, a atividade trabalha muito o sistema cardiovascular, o que melhora o condicionamento físico e estimula a metabolização da gordura corporal. “Em 50 minutos, dá para gastar até 800 calorias”, afirma Audrea Lara, que lembra que esse valor pode variar dependendo do organismo da pessoa. Como os exercícios são centralizados, ou seja, ocorrem do CORE para as extremidades do corpo, a pessoa consegue recrutar até 70% da musculatura. “Foco muito na contração do abdome, especialmente para os movimentos de quadril, que são clássicos no jazz. Isso diminui a sobrecarga na lombar e uma possível lesão”, comenta a professora. Outro diferencial da aula é a utilização de poucos acessórios. “Você só usa um pesinho, uma bola de borracha pequena e uma barra. Dá para montar o espaço em qualquer lugar”, garante.

Divisão da aula 

Você não para um minuto sequer. “A variedade de movimentos é enorme, e eles mudam a toda hora. Não fico mais que oito repetições no mesmo”, diz Audrea Lara. A sequência começa com um aquecimento de cinco minutos, para elevar a frequência cardíaca. Depois, são dez minutos focados nos membros superiores, mantendo os batimentos cardíacos acelerados. Em seguida, a barra, que serve de apoio na hora de executar os movimentos para os membros inferiores, entra em ação. São mais 20 a 25 minutos. Para finalizar, exercícios para o CORE e de solo.

Faça em casa 

Está louca para ligar o som e sair dançando? Audrea Lara montou um treino exclusivo para a Corpo a Corpo.  São apenas dez exercícios, englobando todas as partes do corpo. Lembre-se de que a aula é dinâmica, por isso, nada de pausa entre os movimentos. Você precisa manter a sua frequência cardíaca lá em cima para queimar os pneuzinhos, combinado? Também treine de duas a três vezes por semana. Preparada? Então, solte o John Travolta que há em você!

*Utilize halteres de 1 kg e bola de 0,5 kg a 1 kg.





Leia Também
Comente!


Os comentários são pessoais e não refletem a opinião da Corpo a Corpo.