Queridinho das mulheres, o spinning pode ser uma grande ajuda para você alcançar seu objetivo na academia. Mas será que tudo que você ouve por aí sobre a modalidade é verdade? Confira!

Texto Ana Paula Ferreira

Ao contrário do que muitas pensam, o spinning não faz mal para os joelhos

Foto Shutterstock

Que mulher nunca suou a camisa como se não houvesse amanhã durante uma aula de spinning
Sucesso entre o público feminino (e masculino também!), a modalidade aeróbica ajuda a queimar muitas calorias por aula e ainda oferece uma série de benefícios ao corpo e à saúde.

Contudo, ainda há muitas dúvidas acerca da atividade. Para esclarecer algumas delas, consultamos o personal trainer Gustavo Berkhout, da rede Spin’n Soul, de São Paulo. Confira!

1. O spinning não deixa a perna grossa

Segundo o professor, a atividade aeróbia pode queimar gorduras de forma sistêmica, ou seja, no corpo inteiro. Há uma melhora nas condições musculares dos alunos iniciantes, definindo e diminuindo as medidas, criando uma falsa impressão de que a perna cresceu.

2. Spinning não faz mal para o joelho

Por ser uma modalidade sem impacto no chão, é uma ótima alternativa para quem está se reabilitando de alguma lesão ou possui alguma limitação articular (nesse caso, é necessária uma supervisão médica).

3. O spinning não substitui a corrida

Em termos de modalidade, um não substitui o outro. Porém, de maneira geral, o condicionamento físico tem ótimos ganhos quando se pratica spinning combinados com treinos de corrida.

4. Os treinamentos de bike não são apenas de exercício constante

A bike é o melhor instrumento para a aplicação de protocolos intervalados de alta intensidade por conta do controle de carga, cadencia e tempo.