AVISO IMPORTANTE

Cadastre seu e-mail e receba todas as novidades da Corpo a Corpo



A dança Charme, exibida na novela Avenida Brasil, voltou à tona e parece ter caído para valer no gosto das mais jovens. O estilo musical pra lá de envolvente trabalha o corpo todo e detona até 350 calorias em 1h! Embarque nessa!

Reportagem: Patrícia Affonso
Realização: Tomaz Souza Pinto

charme

Dançar charme detona até 350 calorias em 1h!

Foto: Caio Mello

Quem acompanha a novela Avenida Brasil tem de concordar: quando a turma de Darkson (José Loreto) e Suelen (Ísis Valverde) engata coreografias no baile charme, fica difícil controlar-se e não imitar os passinhos. A batida é gostosa e os movimentos, tão envolventes, que quando a gente percebe já está arriscando-se na dança charme, em plena sala de estar. E os motivos para entrar nessa onda vão além do prazer, simplesmente. A dança charme trabalha o corpo todo e, em 1h de balanço, é possível eliminar até 350 calorias.

O sucesso do ritmo é tamanho que, na rede de academias Bodytech (SP), as alunas conseguiram, depois de muuuitos pedidos, incluí-lo na grade de aulas. "Teremos turmas especiais de charme até o final de agosto, pelo menos. Mas dependendo da aceitação, ela pode tornar-se fixa. Eu acredito que as pessoas estejam gostando muito e que sigam dançando", conta Ismael Toledo, professor da academia e coreógrafo.

Para você não ter vergonha de soltar o corpo e dançar pra valer na próxima oportunidade, pedimos ao especialista para ensinar alguns passos do estilo. "As músicas são ótimas, as coreografias, fáceis de seguir, e a interação com as outras pessoas é tanta, que você nem lembra que está exercitando-se. Está, na verdade, divertindo-se", diz o professor. 

É hora do charminho...

Fomos até a Bodytech para conferir de perto a aula de charme e trazer alguns passos para você.

É fato que a dança desperta a sensualidade e todo o charme de suas praticantes, mas, afinal de contas, como surgiu esse nome? De acordo com Ismael Toledo, tudo começou entre as décadas de 1970 e 1980, quando o que bombava nos bailes eram os estilos funk (americano) e o soul music.

"As batidas eram agitadas e faziam o pessoal suar muito. Mas havia um momento em que as pessoas queriam dar uma diminuída nesse ritmo, dançar junto, paquerar. Era preciso encontrar um estilo musical que acompanhasse essa expectativa", lembra.

Então, na transição das músicas com mais batida para outras mais lentas e melodiosas, um DJ do Rio de Janeiro, chamado Corello, criou o termo "charme". Para anunciar que o baile passaria para um momento mais suave, ele dizia: "Chegou a hora do charminho. Dance seu corpo bem devagarinho".

A moda pegou e, a partir dali, o charme passou a denominar as músicas com coreograia mais lenta e cadenciada, vindas do Rhythm and Blues (R&B). "É curioso notar também que, quando o baile era de charme, as pessoas caprichavam mais na produção, colocavam roupas melhores. E isso ocorria justamente porque não iam transpirar tanto e porque tinham a possibilidade de 'chegar junto'", aponta Ismael Toledo.

Na época, os bailes charme se espalharam pelo Brasil e ainda hoje acontecem nas principais capitais, como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte e Porto Alegre. Um dos bailes mais tradicionais, que acontece no Viaduto de Madureira, na zona norte do Rio, é promovido todos os sábados, há 22 anos.

Vamos lá, venha com a Corpo a Corpo desenvolver e desfilar todo o seu charme...

*Assistente de Fotografia: Sylas Jr./ Produção de Moda: Fernanda Kazalla/ Assistente de Produção: Tiago Donato/ Cabelo e Make: Paulo Renso (Agência First)/ Modelo: Érica Carvalho (Professora)/ Ela usa: Legging e Top Líquido e Tênis Skechers (Abre), Regata e Short Fila e Tênis Tryon (Passos)





Leia Também
Comente!


Os comentários são pessoais e não refletem a opinião da Corpo a Corpo.