As opções se multiplicaram, criando uma dúvida em quem está pensando em se aventurar pela modalidade. O que não dá para negar é que as variações dessa técnica milenar deixaram a prática ainda mais democrática. Conheça as diferentes linhas e veja qual combina com você. Namastê!

Texto Vand Vieira | Edição Karine César | Foto Shutterstock | Adaptação web Ana Paula Ferreira



Da Índia para o mundo, a ioga cresceu, apareceu e, hoje, é praticamente um estilo de vida. No entanto, você deve ter notado nos últimos tempos a presença de alguns prefixos (acro, hot, power, sup, dance...) em anúncios de aulas turbinadas que prometem mente sã e corpo definido em poucos meses. “São variações do Hatha Yoga, o mais popular aqui no Ocidente, incrementadas com um diferencial, sejam acessórios que potencializam os movimentos e seus resultados, um ambiente específico ou até mesmo passos de dança”, explica Sá Souza, professora de ioga, do Rio de Janeiro (RJ). Já deu para perceber que não dá pra entender esses novos métodos-sensação sem conhecer suas origens, né? A Corpo a Corpo ajuda você nessa missão. 

Hatha 

Em sânscrito, ha significa “sol” e tha significa “lua”. Então, só resta dizer que a proposta dessa linha é justamente equilibrar as energias e aprofundar a conexão entre o corpo e a mente por meio de pranayamas (exercícios respiratórios) e asanas  (posturas). Ideal para iniciantes ou para quem está parada há muito tempo, também é indicada para aquelas que têm restrições, afinal as aulas seguem um ritmo supertranquilo,  com movimentos de menor nível de dificuldade realizados em um tempo maior e com pausas entre um e outro. “Gestantes e idosas, por exemplo, podem e devem participar,  mas somente depois do aval de um médico e sempre realizando séries adaptadas sob a supervisão de profissionais”, recomenda Sá Souza. Mas tem de estar disposta a se entregar de corpo e alma, viu? Os problemas e compromissos devem ficar do lado de fora do estúdio!

Ashtanga-vinyasa

Disciplina é a palavra-chave. “Trabalhamos com seis sequências predefinidas que envolvem, ao todo, cerca de 70 asanas. O foco é voltado totalmente à respiração, guia dos movimentos, e ao relaxamento, enquanto os instrutores geralmente conduzem as aulas de forma individualizada, permitindo que as alunas façam séries diferentes umas das outras”, destaca Mario Reinert, instrutor do Namaskara Estúdio, de São Paulo (SP). A principal diferença em relação ao Hatha é a fluidez das posições, interligadas e um pouco mais rápidas e difíceis de serem feitas, exigindo uma dose extra de força e equilíbrio. Resumindo: prato-cheio para tonificar, melhorar a flexibilidade e a consciência corporal, colocar diversos grupos musculares em ação e aumentar o condicionamento cardiorrespiratório. Ninguém fica parada.

Sup yoga

Que tal trocar o tapetinho por uma prancha de stand up paddle, as salas fechadas por um imenso mar azul e a música ambiente pelo som das ondas? Pois é, essa modalidade de origem caribenha e californiana surgiu em meados de 2011 e deu tão certo que parece ter caído de vez nas graças da turma que não dispensa os prazeres dos treinos outdoor e adora estar em contato com a natureza sempre que possível. Para quem está começando agora, o ideal é adquirir uma prancha que ofereça uma boa estabilidade na hora da flutuação e roupas que possibilitem que a execução dos movimentos seja feita confortavelmente — além, é claro, de escolher um local com condições climáticas favoráveis: águas calmas e pouquíssimo vento.

Não acabou por aqui, não! Se você quer conferir mais tipos de ioga, basta garantir a edição 344 da Corpo a Corpo! Então corra para a banca ou adquira a sua CORPO aqui → https://goo.gl/MPqrK5